Arquivo

Archive for the ‘Crônica’ Category

Crítica ao retrato da sala

É um quadro de beleza sem igual! Ao fundo, riscas de giz emolduram lindos anéis dourados e bronzes. Juntos, eles formam uma cabeleira farta que toca o rosto de pêssego da modelo. Lindos olhos verdes parecem sorrir acompanhando o sorriso dos lábios que deixa os dentes a mostra. Não é uma dentição perfeita, é verdade, mas o conjunto a torna exuberante. O queixo nem fino nem grosso separa a cabeça do pescoço. E dali a admirar o busto é um pulo… seios fartos e firmes, decote profundo escondido por um ramalhete de rosas que está no primeiro plano da imagem. Ah, porque essas flores foram colocadas ali? Triunfo do artista que não podendo mostrar mais do que mostrou, provoca a mente de quem contempla sua obra a construir a imagem do belo. O ombro e os braços também aparecem numa postura que denuncia descontração. A menina parece não se importar com a presença do outro. Ai meu Deus, esse retrato é meu!

Por Larissa Reis Ferreira

Anúncios
Categorias:Crônica

O Piauí e suas comidas

Nada melhor do que aproveitar a vida! É o que diz minha sogra, que com aproximadamente 50 anos de idade não deixa de viajar, ir pras festas, comer bem e incentivar a todos a fazerem tudo o que querem, mas com respeito e educação. E falando em comida pense numa mulher que cozinha bem! Eita! Minha mãe que me desculpe, mas oh comida que é boa! Minha sogra faz qualquer tipo de comida, mas quando é uma comida nordestina e especialmente piauiense, ai não tem pareia para ninguém!

Diferente das outras comidas, o nosso cardápio piauiense vai desde o bom cuscuz, que serve tanto no café, almoço e jantar, à Maria Izabel que é feita com carne de sol. A variação de comida é tão grande que turista quando chega ao Piauí fica doido querendo experimentar tudo (isso só se ele passar um mês direto experimentando).

Não sei se é a utilização da pimenta de cheiro ou do corante natural extraído do urucum ou os cheiros verdes ou a cebolinha banca ou o uso muito intenso da farinha de mandioca que deixa nossa comida “arretada de boa”. Só sei que não há quem dispense. Maria Izabel, paçoca, galinha caipira, feijoada, carne de sol acebolada, buchada, panelada, mão de vaca, mucunzá, sarapatel, baião de dois, arroz com piquí, capote, bode assado ou cozido, pirão de peixe, picadinho e outros são alguns das substâncias que sustentam o piauiense para aquentar o dia a dia.

Há! E não posso esquecer-me das deliciosas sobremesas, que é tanto doce que acaba com o regime de qualquer um. A doçaria piauiense é a mais rica e diversificada do Nordeste. São famosos os doces e compotas de caju, de manga, de goiaba, de mangaba, de buriti, de bacuri, de groselha, de casca de laranja da terra e de tantas outras frutas.

Outro dia minha tia, que mora em São Paulo e há quase 20 anos não visitava a família, chegou à minha casa e a primeira coisa que ela perguntou foi se minha mãe podia fazer uma galinha caipirinha, uma feijoada e uma paçoca. Porque eram as três coisas que ela mais sentia falta e que mesmo comendo essas comidas lá, elas não têm o mesmo gosto das que são feitas aqui no Piauí.

Embora, o cardápio seja cheio de carnes, dispomos também na cozinha piauiense de excelentes pratos à base de peixes e de frutos do mar. O camarão, as piabinhas fritas, as casquinhas de caranguejos, os mexidos de ostras e caranguejos, as peixadas ao leite de coco babaçu, a peixada com molho de camarão, o peixe frito com batata frita e outros, satisfazem os mais exigentes paladares. Piratinga, Mandubé, Matrincham e Branquinho são alguns dos peixes de ótima qualidade encontrados no rio Parnaíba.

Como é bom comer! Para mim é uma das mil maravilhas do mundo, ainda mais quando é feito com carinho. Quem derá que todas as pessoas pudessem ter a disposição o alimento de cada dia, pudessem experimentar as maravilhas culinárias que existem no mundo ou que ao menos tivessem o arroz, o feijão e a carne garantidos todos os dias de suas vidas. Quando será meu Deus que isso vai acontecer???

CRÔNICA DE: Rhavena Dias

Categorias:Crônica Tags:, ,

O Piauí e suas comidas

Nada melhor do que aproveitar a vida! É o que diz minha futura sogra, que com aproximadamente 50 anos de idade não deixa de viajar, ir pras festas, comer bem e incentivar a todos a fazerem tudo o que querem, mas com respeito e educação. E falando em comida pense numa mulher que cozinha bem! Eita! Minha mãe que me desculpe, mas oh comida que é boa! Minha sogra faz qualquer tipo de comida, mas quando é uma comida nordestina e especialmente piauiense, ai não tem pareia para ninguém!

Diferente das outras comidas, o nosso cardápio piauiense vai desde o bom cuscuz, que serve tanto no café, almoço e jantar, à Maria Izabel que é feita com carne de sol. A variação de comida é tão grande que turista quando chega ao Piauí fica doido querendo experimentar tudo (isso só se ele passar um mês direto experimentando).

Não sei se é a utilização da pimenta de cheiro ou do corante natural extraído do urucum ou os cheiros verdes ou a cebolinha banca ou o uso muito intenso da farinha de mandioca que deixa nossa comida “arretada de boa”. Só sei que não há quem dispense. Maria Izabel, paçoca, galinha caipira, feijoada, carne de sol acebolada, buchada, panelada, mão de vaca, mucunzá, sarapatel, baião de dois, arroz com piquí, capote, bode assado ou cozido, pirão de peixe, picadinho e outros são alguns das substâncias que sustentam o piauiense para aquentar o dia a dia.

Há! E não posso esquecer-me das deliciosas sobremesas, que é tanto doce que acaba com o regime de qualquer um. A doçaria piauiense é a mais rica e diversificada do Nordeste. São famosos os doces e compotas de caju, de manga, de goiaba, de mangaba, de buriti, de bacuri, de groselha, de casca de laranja da terra e de tantas outras frutas.

Outro dia minha tia, que mora em São Paulo e há quase 20 anos não visitava a família, chegou à minha casa e a primeira coisa que ela perguntou foi se minha mãe podia fazer uma galinha caipirinha, uma feijoada e uma paçoca. Porque eram as três coisas que ela mais sentia falta e que mesmo comendo essas comidas lá, elas não têm o mesmo gosto das que são feitas aqui no Piauí.

Embora, o cardápio seja cheio de carnes, dispomos também na cozinha piauiense de excelentes pratos à base de peixes e de frutos do mar. O camarão, as piabinhas fritas, as casquinhas de caranguejos, os mexidos de ostras e caranguejos, as peixadas ao leite de coco babaçu, a peixada com molho de camarão, o peixe frito com batata frita e outros, satisfazem os mais exigentes paladares. Piratinga, Mandubé, Matrincham e Branquinho são alguns dos peixes de ótima qualidade encontrados no rio Parnaíba.

Como é bom comer! Para mim é uma das mil maravilhas do mundo, ainda mais quando é feito com carinho. Quem derá que todas as pessoas pudessem ter a disposição o alimento de cada dia, pudessem experimentar as maravilhas culinárias que existem no mundo ou que ao menos tivessem o arroz, o feijão e a carne garantidos todos os dias de suas vidas. Quando será meu Deus que isso vai acontecer???

Por: Rhavena Dias

Categorias:Crônica Tags:, ,