Arquivo

Archive for the ‘Cidade’ Category

Comerciantes do calçadão popular de Teresina continuam insatisfeitos

Após cinco meses de instalados no Calçadão Popular de Teresina, aproximadamente 250 comerciantes estão insatisfeitos com as vendas no local. Atualmente, os camelôs que antes estavam nas proximidades do mercado central, agora estão no cruzamento da rua Paisandu e Firmino Pires, no centro da capital.

Atualmente o Calçadão Popular abriga 250 comerciantes

 Inicialmente eram 552 comerciantes, que não foram contemplados com a construção do shopping da cidade, inaugurado em Junho do ano passado. “Aqui as vendas não saem, não vendo nada, ás vezes nem o dinheiro de ir embora eu consigo, se continuar assim  é melhor parar de trabalhar”, fala Francisca Viana, comerciante do Calçadão Popular de Teresina.

Para a comerciante Francisca Viana o Calçadão não é um local adequado

 Com 1800m² o Calçadão Popular de Teresina terá algumas modificações, tais como proteção por causa do sol, padronização das bancas e organização do local. “A construção do calçadão foi realizada de acordo com a vontade dos ambulantes, mas depois de reclamações iremos providenciar algumas modificações, além de investir na segurança do estabelecimento”, destaca Carmem Neudélia, coordenadora de planejamento e revitalização do centro, da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN).

Por: Adriana Oliveira

Anúncios
Categorias:Cidade

Comerciantes de Teresina comemoram aumento nas vendas por conta da Copa

Ano de copa do mundo e as vendas no comércio no centro de Teresina estão intensas. Comerciantes comemoram os resultados e com promoções e bons descontos, estimulam mais ainda o consumo.

Domingos Brito, vendedor de uma loja de calçados acredita que a copa é o principal motivo para as grandes vendas no comércio nesta época do ano. “Aqui realmente as vendas estão boas e acredito que seja por conta da copa. A procura está sendo muito grande nessa época”, garante o vendedor.

Lariane Martins, gerente de uma loja de confecção, afirma que a copa estimulou bastante o comércio. “Aqui nós sempre vendemos bem, mas agora na época da copa, uma mercadoria que chega hoje já sai hoje. As vendas com certeza estão mais intensas e isso se deve à copa”, afirma Lariane.

Para Bezerra, gerente de uma loja de eletro eletrônicos, as vendas aumentaram porque as pessoas querem ver os jogos com uma imagem de boa qualidade. “A venda de televisores é grande. Os clientes chegam aqui procurando televisores para poder assistir aos jogos”, afirma.

Bezerra ainda acredita que existe um outro fator para o aumento nas vendas. “Não só a copa do mundo, mas o período junino faz com que o movimento no comércio aumente”, afirma o gerente.

Agrícola Neto, de 31 anos, analisa os preços dos televisores e garante: ” Estou aqui procurando uma tv para poder ver os jogos do Brasil em uma imagem de qualidade boa”.

Por Virgínia Santos (virginiaa.santos@gmail.com)

Banheiro público no centro de Teresina permanece fechado

Inaugurada há mais de dois meses, ainda na gestão do ex-prefeito Silvio Mendes, o banheiro público de Teresina, situado na rua Areolino de Abreu, no centro da cidade, permanece fechado.

José Álvaro, vendedor de água de coco

O vendedor de água de coco José Álvaro, 51 anos, que trabalha no cruzamento das ruas David Caldas e Areolino de Abreu há 5 anos, diz que sempre seus clientes perguntam sobre a obra que nunca foi entregue.

“Eu sempre converso com os clientes sobre isso. Eles chegam aqui perguntando sobre os banheiros . O prefeito saiu do cargo com isso inaugurado e até agora continua fechado. Até vigia tem, mas não dão resposta de quando vão abrir”, afirma o vendedor.

Sara de Aquino, estudante

Sara de Aquino, de 26 anos, afirma que é um desperdício do dinheiro público. “Pelo tempo que eu vejo, achei que já tnha sido aberto. Isso é um desperdício do dinheiro público. É o nosso dinheiro utilizado para uma coisa que não funciona”, garante.


PREVISÃO DE ENTREGA

Segundo o guarda do local, o serviço será disponibilizado ao público a partir desta segunda-feira (21) e não foi aberto até agora devido a alguns ajustes que precisavam ser feitos.

Além dos banheiros, o local também conta com um bicicletário com capacidade para 166 bicicletas.

Por Virgínia Santos (virginiaa.santos@gmail.com)

Caminhada da Fraternidade reunirá milhares de pessoas neste fim de semana em Teresina

É cientificamente comprovado que a prática de esportes pode reduzir consideravelmente os riscos de doenças, além de contribuir para uma melhor formação do corpo. Para muitos, serve como busca de um corpo perfeito; já outros acreditam que as atividades físicas são as melhores armas para a manutenção de uma vida relativamente saudável. Para aqueles que não são tão chegados às práticas esportivas que exigem muito das pessoas, a melhor opção é a caminhada. Ela é um bom caminho para ajudar a manter a forma e evitar o sedentarismo.

Alguns têm o hábito de caminhar, já outros preferem iniciar esta prática esportiva apenas nos meses que antecedem as férias, e acabam deixando os exercícios de lado nos outros meses. É importante lembrar que é preciso se exercitar com freqüência para alcançar resultados positivos, de nada adianta querer recuperar o tempo perdido em um curto período. A caminhada é uma das atividades físicas que deveriam ser praticada diariamente por trazer muitos benefícios à saúde física e mental.

Lançamento da Caminhada da Fraternidade, este ano com o tema"Solidariedade com a bola toda"

Entretanto, com outra finalidade sem ser a esportiva, no próximo domingo, 13 de junho, em Teresina, acontecerá a 15ª edição da Caminhada da Fraternidade, que tem como tema Solidariedade com a Bola Toda. A Caminhada da Fraternidade nasceu no ano de 1995 como um dos gestos concretos da Arquidiocese de Teresina. Ela nasceu para dizer não ao preconceito e durante muitos anos reuniu milhares de pessoas nas principais ruas de Teresina com o propósito de somar forças para construir uma sociedade sustentável, baseada na igualdade, fraternidade e justiça, valorizando o ser humano, combatendo o preconceito e a exclusão social.

Segundo o Educador Físico, Kelson Silva, deve-se ter sempre cuidado antes de praticar esportes, principalmente quando são feitos esporadicamente e sem preparação anterior. “Para aquelas pessoas que não praticam nenhum tipo de esporte e vão participar da Caminhada da Fraternidade no domingo, é necessário fazer bastante alongamento antes da atividade e principalmente após a caminhada. Porque no dia seguinte normalmente aparecem dores musculares nas pessoas que não praticam esporte”, afirma.

De acordo com o trabalhador, José Roberto, que participa há vários anos da caminhada da fraternidade, no outro dia após a caminhada ele sente dores musculares e admite que é a falta de exercícios. “Sou amante dos esportes, mas sou acomodado e não pratico exercícios, entretanto, participo da Caminhada da Fraternidade porque além de fazer parte da igreja é uma maneira de ajudar ao próximo. Durante a caminhada a gente canta, conversa e conhece novas pessoas, assim acaba esquecendo-se do cansaço, só no outro dia que sinto as pernas pesadas,” confessa.

José Roberto: "Só no outro dia sinto as pernas pesadas"

Em todas as suas edições, a Caminhada da Fraternidade simbolizou um desfile de cidadania, que além de recursos financeiros para a manutenção dos diversos serviços, programas e projetos da Ação Social Arquidiocesana, fortalecem o compromisso ético e a opção preferencial pela Vida, expresso do começo ao fim da Caminhada. Considerada por muitos, a Caminhada da Fraternidade é um projeto de conscientização, de ajuda e amor ao próximo.

O evento terá início às 7 horas no adro da Igreja São Benedito e com largada oficial da caminhada às 8 horas após a celebração da Santa Missa. O percurso da caminhada será pelas avenidas Frei Serafim, João XXIII e Nossa Senhora de Fátima e com encerramento na Avenida Universitária próximo ao balão da Avenida Ininga, com bênção final e show de bandas locais.

Confira abaixo algumas dicas para quem vai participar da caminhada:

Benefícios

• Diminui o estresse e combate a depressão
• Eleva a resistência do sistema imunológico
• Ajuda a manter o peso ideal
• Torna os ossos mais fortes
• Previne ou ameniza sintomas da osteoporose
• Aumenta a vitalidade e disposição para viver
• Protege o coração, evitando doenças relacionadas a ele
• Auxilia no controle do diabetes e colesterol
• Amplia a rede de amigos
• Facilita o parto normal
• Aumenta a flexibilidade
• Aumenta a massa óssea e desenvolve a musculatura
• Elimina gordura
• Diminui o risco de varizes
• Aumenta a força e flexibilidade
• Melhora o humor
• Melhora a respiração
• Aumenta a circulação do sangue
• Aumenta a imunidade do corpo
• Ajuda a ter um sono mais tranqüilo
• Diminui os riscos de deterioração mental

Recomendações

• Use roupas leves e confortáveis e calçados adequados
• Use filtro solar
• Mantenha o tronco ereto, sempre focando a frente, sem olhar para o chão, mova livremente os ombros, flexione os braços levemente e mantenha o abdômen contraído
• Apóie primeiro o calcanhar, depois a planta do pé e por fim os dedos no solo
• Use sempre meias para não criar bolhas
• Alongamento sempre antes e depois da caminhada
• Faça uma avaliação médica antes do início da prática
• Se estiver começando, vá com calma
• Faça da caminhada um hábito
• Não caminhe em jejum
• Hidrate seu corpo, beba muita água
• Não encare a caminhada como um passeio. Tenha ritmo
• Mantenha a postura correta
• Obedeça aos limites do seu corpo
• Evite os horários de maior calor
• Use tênis um número maior que o de costume (os pés dilatam durante os exercícios)
• Use chapéu ou boné de abas largas
• Após a caminhada tome banho frio

Por: Rhavena Dias

foto da caminhada da fraternidade do google

confira o link da caminhada da fraternidade: http://www.caminhadadafraternidade.org.br/

Centro histórico de Teresina sofre descaracterização e perde valor histórico-cultural

Prédio histórico na Avenida Frei Serafim

Prédio histórico na Avenida Frei Serafim

Caminhar ao longo da Avenida Frei Serafim é desfilar por uma paisagem um tanto quanto controversa. Mesmo com a correria e a vida agitada tão presente na cidade, em especial, naquela região, não fica difícil perceber o entrelace entre o moderno e o antigo.

Fazer uma parada e por alguns minutos observar toda aquela exuberância arquitetônica significa, muitas vezes, refletir sobre um passado curioso e uma realidade intrigante. Até que ponto o moderno e o antigo convivem harmonicamente? A cidade tem conseguido conservar seu passado histórico cultural?

Teresina é uma das poucas cidades do país em que, mesmo existindo, seu centro histórico não é apresentando, aos de fora, como orgulho regional. Melhor dizendo, nem mesmo é apresentando.

Para a funcionária pública Simone Almeida, que trabalha no centro da cidade, a falta de cuidados e investimentos com o patrimônio arquitetônico de Teresina representa uma grande perda para o turismo e a cultura local. “O centro de Teresina possui grande valor histórico-cultural e poderia ser utilizado, assim como vemos em outras cidades, como atrativo turístico. É lamentável ver todo esse descaso”, diz.

Avenida Frei Serafim

Avenida Frei Serafim

Ao longo da Avenida Frei Serafim existe cerca de 30 imóveis pertencentes ao patrimônio histórico cultural da cidade. Imóveis estes que, com exceção da Igreja São Benedito tombada pelo IPHAN, estão sob responsabilidade municipal e enquadrados na lei de preservação ambiental n° 3.563.

O centro de Teresina está dividido em oito zonas de preservação, dentre as quais a ZP2 compreende os lotes no limite da Igreja São Benedito até a Avenida Marechal Castelo Branco.

De acordo com a lei n° 3.563, Lei de Preservação Ambiental, devem ser preservadas todas as características arquitetônicas, artísticas e decorativas das fachadas voltadas para entrada principal do imóvel, sendo mantido o telhado e toda área do mesmo até um recuo de no mínimo de 15 metros, além de algum elemento arquitetônico significativo que esteja após esse limite.

Além disso, quaisquer reparações de pintura ou restauração destes imóveis devem ser comunicadas imediatamente ao órgão municipal competente, no caso de Teresina o Departamento de Patrimônio Histórico Municipal que fica instalado na Fundação Cultural Monsenhor Chaves.

A arquiteta Lucili Casanova

A arquiteta Lucili Casanova

A Gerente do Departamento de Patrimônio Histórico do Município, Lucili Casanova, esclarece que quando ocorre à violação de qualquer um destes requisitos de preservação, o infrator é submetido a penalidades, como, o embargo da obra, demolição da mesma, retirada de letreiros, outdoors e qualquer outra forma de publicidade que impeça a visibilidade da fachada arquitetônica. Bem como, a suspensão de benefícios fiscais, como é o caso da isenção do IPTU e aplicação de multa que varia de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 1.000,00 (um mil reais), podendo ser duplicadas no caso de reincidências.

De acordo com a Lucili Casanova, o monitoramento feito nesses imóveis se dá através de observação, consultas prévias e requisições de alvarás.

Outro ponto importante a ressaltar é a diferença entre a lei de tombamento e a lei de preservação ambiental. “A partir do momento em que um bem é tombado esta não pode ser modificado mesmo que parcialmente, o que não acontece no caso dos imóveis da Avenida Frei Serafim, que são protegidos apenas pela lei de preservação ambiental”, revela Casanova.

Existe na lei de tombamento n° 3.602, uma proposta de criação, pelo poder executivo municipal, de um Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Teresina, que auxiliaria, principalmente, na discussão e emissão de pedidos de tombamento, mas até o momento a proposta não saiu do papel.

O Departamento de Patrimônio Histórico de Teresina é um órgão recente, criado em junho de 2009, com poucos funcionários e que ainda aparenta certa fragilidade no combate ao processo de descaracterização do centro histórico de Teresina.

Prédio no centro da cidade, onde apenas a fachada foi conservada.

Prédio no centro da cidade, onde apenas a fachada foi conservada.

Dada a demora em se tomar medidas que combatam esse processo, muito já se perdeu do patrimônio arquitetônico e cultural da cidade. “Infelizmente, devido ao grande número de imóveis e a demora no processo de observação, muitas vezes quando a equipe de fiscalização chega ao local acontece dele já estar bastante modificado ou até mesmo demolido e nesses casos não temos muito o que fazer, pois alguns desses imóveis nem mesmo são protegidos por lei”, conta Lucili Casanova.

Texto e Fotos:

Viviana Braga (vivianabraga@hotmail.com)

Reforma de instrumentos em Teresina é mais viável que fabricação

Para começar, é preciso selecionar um tipo de madeira, deixá-la em um processo de secagem e usar um molde para o corte do corpo e do braço de um instrumento para lapidá-lo. Depois, deve ser feito o acabamento através da pintura com poliuretano (secagem rápida) ou nitrocelulose (mais demorada). De acordo com o desejo do cliente, faz-se a montagem, já com a parte elétrica. E por fim, é feita a regulagem do produto final através de afinação e demais detalhes.


Essa é uma descrição simples e rápida da arte de Luthieria: o processo de fabricação de um instrumento. Mas na prática, esse processo é bem mais complicado, pois exige bastante tempo e recursos. Em Teresina, os procedimentos para a realização desse trabalho ainda são bem arcaicos e por isso, há profissionais que trabalham apenas com conserto e reforma geral de um instrumento.

Trabalhando com manutenção de instrumentos há seis anos, Jorge Luiz, dono de uma loja de artigos musicais no centro de Teresina, afirma que fabricar instrumentos não é difícil, mas a dificuldade que os profissionais da área podem encontrar em Teresina é a falta de matéria-prima, que vai desde a madeira usada até as ferramentas de trabalho. Ele explica que a reforma ou o conserto de um instrumento é mais trabalhoso porque requer noção de fabricação, na qual é feita de acordo com a necessidade do usuário.

Apesar de não gostar de ser chamado de Luthier (profissional responsável pela idéia e fabricação de instrumentos), Jorge já trabalhou com confecção, mas decidiu não continuar nessa área porque, no seu ponto de vista, existe muita desconfiança por partes dos teresinenses em aceitar o que é fabricado aqui. “Como em todas as profissões, existem aqueles que gostam do seu trabalho e outros que já criticam, desvalorizam. Isso faz com que  a atividade se torne inviável”, diz.

Não só pela simples opção de profissão, mas também por visão de mercado, Jorge decidiu consertar instrumentos devido à pequena quantidade de profissionais na área.  Para isso, ele fez cursos para aprender a fabricar e consertar instrumentos, mas acredita que está na essência da pessoa a possibilidade de se inserir na indústria da música. “É preciso ter conhecimentos de mecânica, física, eletrônica, só que, além disso, é fundamental gostar do que se faz para se aperfeiçoar”, afirma.

Questionado pela grande procura de consertos, Jorge afirma que tudo depende do valor que a pessoa dá ao seu instrumento. “As pessoas que mais me procuram para fazer a reforma de instrumentos são músicos. Se essa reforma for para o uso propriamente dito é bom fazer a manutenção”, pondera. Geralmente uma reforma dura seis meses e pode custar mais caro do que um instrumento novo, devido à desmontagem e troca de peças. Nesse contexto, Jorge afirma que os músicos são bastante perfeccionistas, dão valor ao trabalho de manutenção e têm um valor estimativo pela sua ferramenta de renda e diversão.

Por: Isabel Nunes

Zoobotânico de Teresina passa por obras de reestruturação

Muro Frontal do Zoobotânico

Muro Frontal do Zoobotânico

O Parque Zoobotânico de Teresina tem passado nos últimos 5 meses por algumas obras de reestruturação. As ações executadas fazem parte de um Plano Diretor que havia elaborado há cerca de 5 anos e que visa transformar o Zoobotânico em bioparque.

Um investimento de aproximadamente R$1.938.118,00 está sendo aplicado em obras estruturais como a construção da cerca de contenção de incêndios, das vias de acesso e muro frontal, que auxiliarão na proteção do local, bem como a escavação do lago dos macacos, a abertura de uma trilha ecológica, com cerca de 1 km, e o novo recinto dos ursos.

Ilha dos macacos

Ilha dos macacos

Uma das grandes novidades do projeto são as atrações ao longo desta trilha, que além de passar sobre o lago dos macacos, terá ao longo do percurso todas as espécies de plantas identificadas e os recintos de alguns animais como répteis, aves e primatas. Além disso, ao final os visitantes contarão com uma área de descanso e quiosques para alimentação.

Escavação do novo recinto dos ursos

Escavação do novo recinto dos ursos

De acordo com o Coordenador do Parque, Renato Uchoa, dos novos recintos que serão construídos, o dos ursos será o primeiro a ser concluído e servirá como uma vitrine para que os visitantes conheçam o novo conceito de bioparque que o plano pretende estabelecer ao longo dos anos. “No lugar de grades, o recinto será revestido com vidros blindados e haverá também um tanque que permitirá maior aproximação do público com o animal e bem estar do mesmo”, disse Uchoa.

O sistema de abastecimento de água também será melhorado através da construção de três poços. Um museu, aquário e anfiteatro também serão atração do local, que será totalmente preparado para receber os visitantes com dificuldades locomotivas.

Trilha ecológica

Trilha ecológica

Desde sua fundação, em 06 de junho de 1972, o Zoobotânico de Teresina apresentava um modelo de exposição presente em boa parte dos zoológicos, repetindo um padrão de exposição dos seres vivos de maneira fragmentada, o que contraria a própria natureza. Portanto, as obras tornam-se importantes para fazer valer a parte botânica do parque, como também proporcionar melhor qualidade de vida e bem-estar aos animais. “As visitas ao Parque Zoobotânico de Teresina se tornarão uma experiência prazerosa que permitirá aos seus visitantes aprendizagem e interatividade com o meio ambiente”, enfatizou Liamara Lopes, bióloga do Zoobotânico.

Texto e fotos:

Viviana Braga (vivianabraga@hotmail)